28/07/2015

Resenha: Coração de Pedra - Marguerite Kaye

Título: Coração de Pedra
Autor: Marguerite Kaye
Editora: Harlequin
Ano: 2013
Páginas: 288
Sinopse: Ao acordar em uma cama estranha, Henrietta Markham encontra o homem mais sensual que já conhecera. Entretanto, a última coisa que se lembra é do ataque de um invasor e de ter sido resgatada por Rafe St. Alban, o notório conde de Pentland. E ele parece bem mais perigoso! Um casamento fracassado transformou o coração de Rafe em uma pedra de gelo. Contudo, a impetuosa e atraente preceptora faz seu sangue entrar em ebulição. Quando Henrietta é acusada de roubo, Rafe se coloca de prontidão para salvá-la. Será que a inocência dela deixará este endurecido libertino de joelhos?




Rafe Sr. Alban, conde de Pentland acha Henrietta Markham desacordada numa vala em sua propriedade. Por ser um homem muito duro pensa em deixar a pobre moça bonita mas desmanzelada lá mas acaba levando-a para sua propriedade. Ao acordar, uma atração estranha surge entre os dois. Após se lembrar do ataque que sofreu, Henrietta volta para a casa onde trabalha e é terrivelmente acusada por um crime que não cometeu. Sua única opção é fugir e acaba se colocando no caminho de Rafe novamente, que a ajuda prontamente. Entre a tarefa de descobrir o verdadeiro culpado do crime e conversas regadas a muita tensão, Rafe e Henrietta vão descobrir sentimentos desconhecidos que podem mudá-los para sempre.

Antes de falar do livro preciso que vocês saibam de alguns fatos sobre mim para que possam entender minha opinião da história:
1- Cresci vendo minha mãe ler esses romances de banca e nunca entendi seu gosto por essas histórias. Ainda não entendo. 
2- Adoro romances históricos mas sou adepta dos romances de época sem tensão sexual e orgasmos insanos, uma coisa mais pura. 
3- NUNCA vou engolir histórias onde a primeira vez da mocinha não dói, não machuca, ela tem múltiplos orgasmos logo de cara e é tudo lindo e ela ama.
4- Também não aceito que uma mocinha virgem, INGÊNUA, totalmente desconhecedora das coisas da vida saiba tudo o que tem que fazer numa transa. 
5- A velocidade com que as coisas acontecem num romance me deixam pasma, principalmente as mudanças de personalidade.

Dito isso, vamos ao livro. 
A história é muito bem escrita, com diálogos inteligentes que mostram duas visões do mundo: uma sonhadora, otimista e uma cética, realista. Foi até interessante ver esses dois lados no meio do romance, levando a algumas reflexões. 
Os personagens são bem convictos no que acreditam, chegando a serem teimosos mas bem fiéis as suas índoles. O romance é bonito e acontece um pouco rápido mas não é um caso de amor a primeira vista. 
Rafe é um cara bem legal, que se tortura demais pelo seu passado. Charmoso, mas não me conquistou. Henrietta é uma moça inteligente mas me irritou muito.
No geral, acho que a autora soube fazer uma boa história, que me distraiu mas não me prendeu e o principal motivo para isso é o fato de a história possuir os itens 2, 3, 4 e 5 da minha lista acima. Não da gente, não me desce de jeito nenhum essas coisas. Mas, se ao contrário de mim você curte essas coisas numa história ou é muito fã de romances de época que acaba relevando, vai fundo, vai ser um bom livro pra você.




6 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Adoro seu jeito claro de revelar o que achou do livro para nós, leitores, e dessa vez não foi diferente, não é mesmo? Parabéns!
    Acho que eu gostaria de ler o livro sim, mas convenhamos que na listinha que você citou ele tem alguns pontos um pouco utópicos, não?
    Beijo.
    Choque Literário

    ResponderExcluir
  2. Oi Nathalia, concordo com vc em muitas coisas que disse na resenha e confesso que não é tudo e nem todos os históricos da Harlequin que são bons. A gente encontra alguns muito bons, mas também se decepciona por muitos outros. Também defendo com muita certeza de que não é todo o gênero literário que nos encanta e eu sou adepta a abandonar o que eu não gosto, já fiz e faço isso muitas vezes... Adorei sua resenha, bem definida e sua forma de escrever é bem como eu gosto. Parabéns! Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Nath!

    kkkkkk essa sua lista é perfeita! rsrsrsrrsrs

    Tbm gosto deste tipo de livro, mas sempre encontro algumas coisas que me irritam profundamente, acho que foi por isso que parei de comprá-los!
    Adorei sua resenha, vc sempre manda bem!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  4. Nath!
    Talvez, apenas talvez, o pessoal da minha geração goste dos romances de banca porque são como ilusões escritas, onde podemos sonhar com romances intensos. É o que acho, por isso eu e sua mãe sempre lemos romances de bancas.
    Tem muita fantasia mesmo e para sua geração, é difícil engolir alguns aspectos, mas temos de concordar que é apenas fantasia em livro.
    Amo os romances de bancas e se forem históricos, ainda melhor.
    “A vida é maravilhosa se não se tem medo dela.”(Charles Chaplin)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Nath.
    Tirando o 1, pois minha mãe não lê esses romances, concordo plenamente com a sua lista. Verossimilhança para quê, né? haha
    Apesar de ser um livro bem escrito e com bons diálogos, eu não leria. Definitivamente esse não é meu tipo de livro.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  6. aiai... concordo com a sua lista, tudo é muito rápido e com uma intensidade que não é real! Acho que o interessante nesses romances é a sedução e não necessariamente o ato sexual. Mas acho divertido ler para passar o tempo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, volte sempre! :)